Instituto Avon Investimento Social Alinhado ao Negócio

Desde seu início, o negócio de cosméticos e fragrâncias da Avon valoriza mulheres. Além de consumidoras, elas têm oportunidades de geração de renda como revendedoras – e são, naturalmente, o foco do trabalho do Instituto Avon, criado em 2003 no Brasil.

As causas que o Instituto apoia são as mesmas em que atua a Avon Foundation – fundação internacional, que orienta o investimento social da Avon ao redor do mundo. Por meio de suas habituais pesquisas mundiais sobre as necessidades das mulheres, a Avon descobriu não apenas que o câncer de mama era uma das principais preocupações, mas também que os casos da doença estavam aumentando, em parte devido a hábitos de vida menos saudáveis, como sedentarismo. Diante desse cenário, a Avon Foundation decidiu, no início dos anos 1980, enfrentar o câncer de mama e salvar o maior número de vidas possível.

No Brasil, até 2003, a Avon já contribuía para diversas causas através do financiamento, mas com baixo envolvimento. Ao criar o Instituto Avon (com assessoria do IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social), a empresa também concentrou seu investimento social brasileiro no combate ao câncer de mama. A doença leva à morte de quase 12 mil mulheres todos os anos no país, porque é detectada em estágio avançado em mais da metade dos casos. Uma das principais dificuldades no enfrentamento ao câncer de mama é o acesso aos serviços de diagnóstico, por meio de consultas médicas, mamografias, exames clínicos e biópias, e tratamento.

Sabendo que 90-95% dos casos são curáveis se detectados em estágio inicial, o Instituto Avon focou na promoção da detecção precoce. Desde então, já investiu R$ 38,5 milhões de reais: apoiou centros de detecção, doou equipamentos e financiou 1,5 milhões de mamografias e ultrassonografias. Sua visão de futuro é diminuir expressivamente o índice de mortalidade por câncer de mama.

As despesas operacionais do Instituto são custeadas pela Avon, mas os recursos aplicados em projetos vêm inteiramente da venda de produtos: o Instituto arrecada 7% do valor de alguns cosméticos e fragrâncias que variam a cada catálogo. Também estão à venda, pelo catálogo, produtos que comunicam a causa, como pulseiras e camisetas, que são definidos em conjunto com a área de marketing da empresa.

Para financiar projetos, o Instituto Avon realizou alguns editais direcionados à detecção precoce do câncer de mama; depois passou a considerar os projetos conforme eram apresentados e hoje apoia mais de 80 projetos de pequeno a grande porte. Atualmente, porém, a organização tem buscado focar em grandes centros com alta complexidade no atendimento público para o câncer de mama (que oferecem o diagnóstico e o tratamento do começo ao fim). Com aportes maiores, o Instituto apoia dois ou três centros por ano – como já ocorreu em Salvador (BA), Goiânia (GO), Recife (PE), Barretos, Poá e Jundiaí (SP).

Em 2008, o Instituto Avon decidiu ampliar sua atuação para incluir a segunda causa apoiada pela Avon Foundation: combate à violência doméstica. A organização internacional já atuava nisto desde 2004, quando um movimento de organizações ligadas ao governo americano convidou empresas a se unirem à batalha contra a violência doméstica e a Avon optou por participar. Na visão do diretor executivo do Instituto, Lírio Cipriani, essa causa talvez seja mais grave do que o câncer de mama, pois a violência ainda é muito escondida pelas famílias – muitas pessoas veem desigualdade de gênero como algo natural, o que gera violência.

O trabalho do Instituto Avon com a prevenção da violência doméstica ainda está em fase de amadurecimento. Desde 2008, a organização financia projetos de menor porte, com instituições de referência, procurando se alinhar com políticas públicas. Uma das atuações do Instituto foi publicar fotonovelas dirigidas a jovens, retratando as origens e repercussões da violência doméstica. Em 2014, planeja realizar um edital sobre a causa, a fim de direcionar melhor o apoio. Futuramente, tal como ocorreu na causa do câncer de mama, será definido um foco específico para a causa da violência doméstica e também haverá investimentos de maior porte.

Até 2013, o Instituto Avon investiu R$ 4,9 milhões no combate à violência domestica (apenas 15% do que já aplicou na prevenção do câncer de mama), mas pretende que as causas tenham peso equilibrado em sua atuação. Em ambas, seu trabalho consiste principalmente em disseminar informações e apoiar projetos que proporcionem atendimento mediante financiamento de operações e de capacitações.

A Avon, além de fornecer recursos ao Instituto, também emprega sua estrutura e suas capacidades a serviço das causas. Os catálogos de produtos levam informações sobre câncer de mama e violência doméstica. Outras publicações (tais como o informativo do disque-denúncia – 180) são enviadas com o material de vendas e muitas revendedoras (que já somam um milhão e meio) pedem mais exemplares para distribuir em suas vastas redes de relacionamento, sabendo que estão contribuindo com as causas que divulgam.

Dentro da empresa, as causas são disseminadas aos funcionários desde sua integração e muitos pedem materiais para distribuir em suas comunidades. Também são organizadas visitas aos centros de atendimento apoiados pelo Instituto.

A Avon também defende a causa internamente e é cuidadosa com as mulheres ligadas a empresa: já ampliou a licença maternidade para seis meses, oferece berçário, inclui o exame de mamas nas avaliações médicas admissionais e anuais e assegura convênio que cobre os exames diagnósticos (e tratamento, se necessário). Internacionalmente, as mulheres ocupam os principais cargos e 50% do comitê executivo da empresa.

Pode-se dizer que o trabalho de combate ao câncer de mama e à violência doméstica não ocorre apenas no Instituto Avon, mas na empresa como um todo. Lírio Cipriani acredita que o investimento social alinhado aos negócios da empresa gera resultados melhores, com mais facilidade e menores custos. De fato: tanto a empresa Avon quanto o Instituto Avon, por diferentes ações, compartilham o valor da promoção da qualidade de vida da mulher brasileira.